Como e por que estimular iniciativas independentes

Você tem um programa de voluntariado na sua empresa ou deseja iniciar um? Você vai se identificar com esse post!

É habitual ao iniciar um programa de voluntariado os gestores definirem regras e normas, delimitarem sobre que temas serão as ações realizadas e quem será o público beneficiado. Sob esse modelo de gestão, é comum que os voluntários sejam apenas receptores das ações corporativas, e não tenham oportunidades de serem ativos na criação de iniciativas independentes. Seria isso um erro?

Mas o que estamos chamando de Iniciativas Independentes?

Por iniciativas independentes, entendemos aquelas que são propostas e realizadas pelos colaboradores da empresa em sua vida pessoal, com apoio de sua própria rede de relacionamentos, mas que a empresa como estimuladora do voluntariado pode optar por apoiar cedendo espaço de comunicação, o seu portal dos voluntários, e outros recursos. Nesse caso, o programa de voluntariado é um incentivador da participação social sem atuação direta.

Em geral, o incentivo às iniciativas independentes não são um consenso. Será que inibi-las pode causar engessamento da vontade de ajudar dos colaboradores, e por consequência, do programa de voluntariado? Quais são os riscos envolvidos? Para ajudar a ponderar, preparamos algumas análises:

Por que pode ser positivo estimular as iniciativas independentes:

✔ Fomentar o crescimento pessoal dos voluntários, baseado em novas experiências de vida – as iniciativas independentes abrem o espectro de possibilidades.

✔ Permitir que colaboradores compartilhem e exerçam as competências com as quais mais gostariam de contribuir, e que muitas vezes não são aquelas utilizadas no seu ambiente profissional, como habilidade manuais e artísticas, por exemplo.

✔ Ampliar a rede de parceria e colaboração do programa pois muitas vezes as iniciativas independentes trazem consigo clubes, grupos, grêmios e outras associações das quais o colaborador participa.

✔ Despertar para a necessidade que temos de parar com o senso comum. Isso se chama responsabilidade social individual, ou cidadania ativa… e seja qual for o nome, o voluntariado independente ajuda a incentivar que as pessoas atuem com o que tem de mais pessoal e próximo de si.

✔ Avivar o sentimento que todos podemos fazer algo  e que não precisam ser grandes ações. Pequenos movimentos, costumam trazer grandes resultados.

✔ Reconhecimento do entorno, pois a empresa que apoia e estimula as iniciativas independentes pode se comunicar como quem capacita e estimula seus funcionários a serem “bandeirantes” da responsabilidade social no entorno de forma muito empoderada

✔ Identificação com os valores da empresa, pois pode gerar o orgulho em pertencer a uma empresa que apoia em seus projetos de melhora da sociedade.

Para variar vamos lidar com riscos, certo?

Esses são apenas alguns exemplos dos fatores positivos em estimular essas ações. Mas você deve estar se perguntando: “mas se o colaborador criar uma ação nada a ver com a cultura de voluntariado da empresa ou pior, se fizer algo depreciativo em nome da empresa. O que fazer?”

Bem, estimular as iniciativas independentes não significa que você precisa “doar uniformes” para todos. Tampouco precisa ter investimento direto da corporação. Estimular significa que você, como gestor e cultura organizacional, apoia que os próprios colaboradores façam a diferença no seu entorno.

Mas como fazer isso sem trazer ônus para a empresa? 🤔

 

Ações independentes em grupo

Uma boa solução é estimular que os voluntários trabalhem em equipe. Eles mesmos podem se organizar em grupos e cada equipe escolhe uma entidade para apoiar. É possível estipular um período para as mesmas acontecerem, e, ao final, as equipes documentam suas ações no portal do voluntariado com fotos, vídeos e depoimentos ou em outros espaços de comunicação da empresa. As ações podem ser votadas por todos da instituição e os vencedores podem ser premiados. É um ótimo momento de estimular quem não participou, para se engajar em um outro momento. E mais do que isso, em ações planejadas em grupos você mantém o sentimento de: estou fazendo algo meu, genuíno, e pode monitorar mais de perto os riscos.

 

Diretrizes prévias

Outro ponto é traçar diretrizes para o voluntariado individual de forma que com capacitação continuada (podem ser dicas dadas à distância mesmo), e com termos de responsabilidade a empresa se certifique de que o colaborador está ciente de um conjunto de condutas e de valores que deve levar para a comunidade caso a represente em iniciativas independentes. Ainda que seja uma iniciativa do próprio colaborador, a empresa pode qualificar para que nesse âmbito haja uma ação social mais efetiva.

 

Condicionar recursos

Condicionar possíveis recursos disponíveis para essas ações a um formulário de requisição com filtros excludentes e classificatórios pode ajudar a monitorar a qualidade das iniciativas independentes. Outro condicionante de reconhecimento ou suporte por parte da empresa pode ser um reporte correto e transparente pelos colaboradores em suas iniciativas independentes.

 

Espaço com responsabilidade compartilhada

A empresa pode disponibilizar o seu portal dos voluntários para que os colaboradores inscrevam suas iniciativas independentes e deixar bem claro que ali é um espaço para serem livres, obviamente dentro dos padrões éticos. Além disso há a possibilidade de disponibilizar um filtro prévio, de instituições já compliance para que os colaboradores tracem com as mesmas o seu plano individual de apoio.

 

Dá um frio na barriga?

Dá.

Mas perder o controle as vezes significa confiar. E confiança é uma das bases de uma sociedade com alto capital social. Está na hora de praticarmos!

Como disse Kennedy: “esforço e coragem não são suficientes sem propósito e direção.” É bem possível que você tenha muitos colaboradores engajados e com muita vontade de fazer a diferença mas não sabem como. Cabe a você direcioná-los e estimulá-los para que possam fazer o que sabem fazer, da melhor forma possível. Mas se você também não sabe como direcioná-los, conte conosco! Nosso blog tem muito material que pode te ajudar nessa caminhada, você não esta sozinho!

Até a próxima!


 

(Visited 168 times, 1 visits today)

Um comentário sobre “Como e por que estimular iniciativas independentes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.