Voluntariado Digital: uma alternativa que otimiza tempo e distância

Um dos motivos correntes para as pessoas deixarem de atuar como voluntárias é o fato de serem engolidas por suas rotinas. Então, desistem de participar socialmente, ainda que frequentemente haja algo que desejem melhorar no seu entorno. Esses problemas sociais que invadem o cotidiano não incomodam o suficiente para fazer as pessoas agirem em prol das melhorias aspiradas? Como o voluntariado digital pode ajudar a fechar essa conta entre necessidade e ação? Nesse post falaremos um pouco sobre como a tecnologia pode aproximar (ou reaproximar) as pessoas da sua atuação social. Vale a pena empreender um trabalho voluntário de forma proativa. Contudo, acredito que não precisa ser “sofrido” quando se adquire a consciência cidadã, já que convivemos num momento em […]

Continuar lendo


Sugestão de ação: correspondência à moda antiga

Todos os meses divulgamos aqui no blog passo-a-passos de ações voluntárias para promover na empresa ou em uma ONG. Desta vez, separamos uma sugestão de ação que estimule a leitura e a escrita. Contar sobre si, falar de algo que gosta, contar uma história… em tempos de tecnologia e mensagens curtas, a carta pode ser um mundo novo para crianças e uma redescoberta para adultos. Por isso, a ideia da ação é simples: promover a troca de cartas entre crianças, de preferência recém-alfabetizadas, e adultos. As crianças podem ser os filhos dos colaboradores da empresa ou então crianças de uma instituição social ou escola pública. Passo a passo Veja quem serão as crianças que vão participar da ação. Se forem os filhos dos […]

Continuar lendo


“SEJA MEUS OLHOS” – uma nova forma de Voluntariado Digital

be my eyes

Como já falamos aqui, um dos maiores obstáculos para a atuação voluntária é a falta de tempo. Mas a boa notícia é que a oferta de ações de voluntariado a distância é cada vez maior e mais inovadora. Por exemplo: você já pensou em ajudar um deficiente visual mesmo que não esteja frente a frente com um? O dinamarquês Hans Jørgen Wiberg pensou. E agora qualquer pessoa pode fazer isso – inclusive os voluntários da sua empresa. “Se eu tivesse um par de olhos uma ou duas vezes por dia, eu poderia fazer muito mais coisas sozinho…”.  Hans Wiberg ouvia isso frequentemente em seu dia-a-dia de trabalho, na Danish Blind Society, onde ensinava cegos a cozinhar sozinhos. Quando um cego […]

Continuar lendo