Voluntariado como ferramenta estratégica para integração de novos colaboradores

Vai contratar? Então saiba que o voluntariado é uma ferramenta poderosa para integração de novos colaboradores e criação de uma cultura organizacional baseada em valores. É sobre isso que vamos conversar hoje. 

Se o momento é de recrutamento de novos colaboradores, a integração dos mesmos nos respectivos ambientes de trabalho é um passo que deve ser dado após todo o processo burocrático.

Nesse post, você vai entender por que e como usar o voluntariado como ferramenta estratégica para integração de novos colaboradores

Compreendendo a Cultura Organizacional

A integração de novos colaboradores passa pelo conhecimento dos processos internos, treinamentos para o uso de ferramentas específicas, ciência geral do organograma e das equipes, e o mais importante: um primeiro mergulho na cultura organizacional da empresa.

“A cultura organizacional inclui as expectativas, experiências e filosofia da organização, bem como os valores que orientam o comportamento dos membros e são expressos na autoimagem, no funcionamento interno, nas interações com o mundo externo e nas expectativas futuras” (Business Dictionary).

Se a cultura organizacional reflete os valores da empresa e esses valores estão ligados à geração de impacto social, nada melhor do que integrar os novos colaboradores incentivando-os a participarem de ações de voluntariado promovidas pela organização.

A primeira impressão é a que fica 

É justamente na fase de integração que os novos contratados podem vestir a camisa, ficar desconfiados, ou mesmo saltar do barco se perceberem que “entraram numa fria”.

O momento da inserção nos valores da empresa e nos comportamentos esperados, da integração na forma como a empresa se vende da porta pra fora, com o que se pratica dentro, é um ponto chave para a criação de vínculos, e de engajamento com o barco do qual se vai fazer parte.

Não importa muito o tamanho, porte ou setor da sua empresa: integrar novos colaboradores por meio do voluntariado corporativo é de uma riqueza sem fim!

Na prática, o voluntariado é o DNA da empresa

Em primeiro lugar, se você está introduzindo a sua empresa por meio do voluntariado, está apresentando e estimulando também, através da prática, os melhores valores e o que há de mais nobre no empregador: sua responsabilidade junto aos contextos sociais e ambientais em que interfere.

E assim, de partida, os valores éticos da colaboração, da inovação, e do respeito são postos à prova, em desafios que culminam com ganhos e transformações para pessoas, grupos, famílias e instituições que precisam de apoio nesse momento.

RH e Voluntariado: A comunicação entre essas áreas é fundamental

Não é segredo que os trabalhadores mais jovens escolhem ou declinam de empresas a depender da sua responsabilidade social.

De acordo com essa pesquisa da PWC, o dinheiro não é tudo, e a geração dos millennials vem sendo atraída por empregadores que podem oferecer mais do que bons pagamentos, mas também práticas éticas e boa reputação.

Por isso, uma conversa sobre planejamento entre as áreas de Gestão de Pessoas e de Voluntariado torna-se muito necessária.

7 pontos fundamentais para considerar

Após o alinhamento entre a área de Gestão de Pessoas (ou RH) e a equipe responsável pelo voluntariado, é importante fazer o planejamento da ação voluntária de integração.

E qual seria a melhor ação para esse momento? Conheça 7 pontos essenciais a serem considerados:

  • As ações propostas para a integração devem estar, preferencialmente, no contexto, dentro do planejamento, dos objetivos e das causas do programa de voluntariado. Ou seja, somando às respostas sociais já desenhadas;
  • Durante o treinamento de introdução, os novos colaboradores precisam ter a oportunidade de já trabalhar com voluntários veteranos, de preferência com a presença de lideranças, sendo modelo e exemplo;
  • As ações precisam dar vazão para a criatividade e a empolgação dos colaboradores recém chegados, e eles precisam ser ouvidos durante o processo de planejamento, execução, e avaliação das ações de voluntariado;
  • É preciso garantir que o processo não seja paternalista, mas permita que os novos voluntários experimentem, e mesmo que errem, façam da ação um processo também de aprendizado;
  • As ações permitam um trânsito dos novatos pelas estruturas físicas e virtuais da empresa, contribuindo para o processo de integração de forma orgânica;
  • As ações devem estar, preferencialmente, alinhadas ao negócio, de forma que a integração seja social mas também baseada na compreensão do alcance do propósito da empresa;
  • É importante respeitar os protocolos de saúde e segurança da empresa na prevenção e no combate à Covid-19.

Ações digitais ou presenciais?

As ações realizadas podem ser virtuais, presenciais ou híbridas. Essa escolha dependerá especialmente dos protocolos adotados por sua empresa.

E elas podem variar entre ações de arrecadação de bens materiais, até ações de mentoria e partilha de competências profissionais.

Uma tendência é que essas ações sejam pontuais, marcando o período de entrada na empresa e fidelizando depois os entrantes como voluntários contínuos no programa de voluntariado.

Comece agora!

Experimente logo essa possibilidade!

Aqui no nosso blog e na sociomotiva há muitas inspirações de ações a serem realizadas digitalmente ou presencialmente.

Aproveite esse mundo de ideias e pense em soluções adequadas ao momento da sua organização.

E se quiser pensar nisso com a gente, basta falar. Faremos isso juntos!

Um comentário sobre “Voluntariado como ferramenta estratégica para integração de novos colaboradores

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.