7 alinhamentos essenciais para um Programa de Voluntariado estratégico

Os programas de voluntariado corporativo podem e devem estar alinhados de forma estratégica com as diretrizes, recursos e processos da empresa, bem como balizadores externos, como por exemplo os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.

No post de hoje vamos falar sobre 7 alinhamentos estratégicos essenciais para o sucesso do seu programa.

1) O alinhamento do triplo benefício

Já sabemos que o voluntariado é uma “fábrica de benefícios”, e que precisamos valorizar (e gerir) essas múltiplas vias de retorno sobre o seu investimento: os resultados para a comunidade, para a empresa que promove o programa, e os ganhos pessoais e profissionais para os próprios voluntários.

Alinhar o planejamento e as ações do seu programa prevendo os resultados que se pretende para cada um dos seus três públicos fundamentais, garantirá que o projeto siga equilibrado.

O voluntariado é, portanto, pautado pelo jogo do “ganha-ganha-ganha”, ou seja: ganha a empresa que o promove, ganham os colaboradores e equipes que o realizam, e ganha a comunidade ou instituição parceira com quem se realiza o trabalho.

Veja também os múltiplos benefícios do voluntariado neste texto: 5 benefícios que o Voluntariado traz para sua empresa, e garanta o triplo alinhamento em ações e indicadores.

2) O alinhamento: engajamento & impacto

O alinhamento da balança entre o número de pessoas engajadas e o impacto gerado precisa ser discutido, de modo a direcionar a sua estratégia de mobilização.

Pesa sobre essa análise, a área em que o seu programa está alocado.

Por exemplo, se o voluntariado está dentro de um departamento de gestão de pessoas, pode ser provável que o engajamento de colaboradores ganhe mais ênfase do que se estiver sediado numa área de responsabilidade social, onde uma atuação mais profunda, e alinhada aos indicadores de impacto socioambiental, sobrepõe ao número de participantes.

Conciliar alto engajamento e profundidade de impacto é impossível?

Não. Mas é um caminho mais longo. Pois quanto maior o foco sobre uma causa, outras pessoas interessadas em atuar como voluntárias em outras áreas temáticas podem não se interessar tanto pelo projeto.

Se o seu objetivo é um número grande de pessoas se voluntariando, provavelmente o seu engajamento será maior e bem capilarizado, mas menos focada. E nesse caso você conseguirá medir bons resultados como: número de voluntários; número de horas e número de ações.

No entanto, se o objetivo é medir uma transformação mais consistente de impacto social numa comunidade ou instituição social parceira, provavelmente terá que trabalhar com voluntários ou comitês concentrados em planos de ação e metodologias contínuas. E isso, via de regra, não prescinde de grande volume de voluntários.

Cada empresa encontrará seu eixo nesse alinhamento, lembrando que cada escolha traz uma renúncia, e como se diz por aí: “e tá tudo bem!”, desde que o alinhamento seja pactuado com os investidores, lideranças, e áreas parceiras.

3) O alinhamento ao negócio

As iniciativas de voluntariado empresarial tendem a se alinhar cada vez mais ao negócio, em consonância com a trilha já tomada pelo Investimento Social Privado. Essa escolha ganha força na medida em que as empresas repensam o seu papel social em aderência aos desafios externos impostos: o social incorpora cada vez mais as estratégias e o modo de ser das empresas.

Para o voluntariado, as sinergias com o negócio mais comuns estão vinculadas às áreas de Gestão de Pessoas e de Sustentabilidade. Mas a dica é que o alinhamento seja considerado em múltiplas perspectivas:

Alinhamento Estratégico – incorporar o social ao negócio

Quando acontece?

Quando o programa se enquadra e é criado para dar respostas às aspirações, jeito de ser, missão, visão e valores da empresa.  Exemplos: bancos & educação financeira; empresas de tecnologia & inclusão digital; empresas de educação.

Alinhamento “Temático” com produtos/serviços

Acontece quando o alinhamento se dá nos temas ligados aos produtos e serviços que a empresa entrega, ampliando assim a percepção da oferta de valor.  Exemplos: uma empresa de brinquedos que desenvolve ações com crianças e valoriza o ato de brincar, ou outra da área da saúde que desenvolve ações em hospitais.

Presença física

Quando se considera atuar naquelas localidades em que a empresa possui presença física, comercial e estratégica. Isso acontece muito no âmbito das indústrias que possuem plantas próximas ou dentro de comunidades, mas também pode acontecer no setor de varejo, explorando seu poder de capilaridade.

Operacional.

Quando o programa considera aliar a recursos e processos que já existam na empresa: por exemplo os sistemas, ativos, políticas, processos de reconhecimento e capacitação, etc.

4) O alinhamento aos critérios ESG

Alinhar o programa aos critérios de ESG possibilita que o programa apresente respostas aos anseios dos investidores.

Um ponto a ser observado sobre a avaliação das empresas por meio de critérios socioambientais (ESG) é que se incorpora ao olhar dos investidores uma chamada “terceira dimensão” de medição.

Até então, de forma majoritária, essa apreciação se dava sob uma ótica bidimensional: o risco e o retorno.

No entanto, a situação ambiental e social no planeta exigiu também uma lupa sobre a dimensão do impacto, que analisa o legado que determinada operação privada, industrial ou de serviços deixa no mundo.

Os investimentos que consideram então as três dimensões risco-retorno e impacto positivo,

“têm uma leitura mais completa do ambiente em que estão inseridas, e conseguem, por isso, ser negócios mais robustos, com maior relevância para a sociedade e, consequentemente, tendem a gerar retornos melhores” (Daniel Izzo, cofundador da Vox Capital).

O importante no alinhamento de um programa que dê respostas aos parâmetros e reportes de ESG, é que o mesmo não precise deles para se fazer importante dentro da empresa.

A relevância do programa de voluntariado se fará com uma operação muito bem montada, com resultados concretos que extrapolem e transbordem nos relatórios e prestações de conta.

Havendo resultados concretos, os medidores de ESG “virão atrás do programa de voluntariado”, e não o contrário.

5) O alinhamento com a Agenda 2030

O voluntariado ainda é frequentemente visto como algo separado de outros aspetos do desenvolvimento global e local.

Da mesma forma, a ampla gama de práticas de voluntariado em todo o mundo vem crescendo e sendo reconhecida como contribuição para alcançar o desenvolvimento sustentável.

No Brasil isso ficou mais evidente na última pesquisa BISC, sobre a qual temos uma análise aqui no blog.

E apesar desses desafios, novas tendências podem ajudar a medir, provar e fortalecer o impacto do voluntariado para a Agenda de Desenvolvimento 2030.

Para tal, é necessário refletir sobre os tipos de práticas de voluntariado corporativo que podem melhor apoiar uma maior apropriação da Agenda 2030, em favor dos públicos mais vulneráveis.

E quais são os maiores desafios para isso?

E esse alinhamento da Agenda 2030 e do voluntariado corporativo que mira no desenvolvimento local, e no apoio às causas urgentes dos ODS 1 e 2, pode trazer alguns desafios:

  1. Reenquadrar a narrativa para uma fala mais integrada, que venha também da comunidade. A compreensão dominante do voluntariado no discurso político foi estruturada e está enraizada nas experiências dos países do Norte. Até o momento, tem havido uma tendência de negligenciar a riqueza das práticas de voluntariado no Sul global e do voluntariado local no nível das comunidades ou de vê-las como contribuições legítimas para o desenvolvimento. Essas lacunas de compreensão devem ser abordadas com urgência para fornecer uma base mais integrada e significativa para as políticas e os programas de voluntariado corporativo que integrem o voluntariado para os ODS.
  2. Reconhecer todos os tipos de trabalho voluntário. Os voluntários se envolvem em uma ampla gama de atividades em seu tempo livre – desde ativistas engajados em movimentos sociais e associações comerciais, até comunidades on-line. Isso tem implicações para as abordagens que tradicionalmente se concentram mais no voluntariado formal. Novos modelos são necessários para que se possam abarcar os esforços dos colaboradores integralmente e para que estes percebam a empresa como parceira nos seus propósitos sociais, e não apenas capturando o seu tempo para enquadrar dados em relatórios.
  3. Lidar com desigualdades persistentes. Os padrões de participação mostram como o voluntariado geralmente reflete as linhas de falha de gênero, idade, situação de emprego e uma série de outros fatores socioeconômicos. As oportunidades de apropriação da agenda de desenvolvimento devem aproveitar o poder do envolvimento de toda a sociedade para ir além e aumentar a voz e a representação daqueles excluídos e vulneráveis, fazendo de todo o processo uma bandeira de diversidade, inclusão e garantia dos direitos humanos.
  4. Combater as desigualdades emergentes. Oportunidades emergentes e práticas em evolução no voluntariado trazem novos riscos. Por exemplo, o voluntariado online pode inadvertidamente reforçar a exclusão digital e, de fato, há sinais iniciais de que a pandemia de Covid-19 pode impor mais desvantagens digitais a certos grupos. As oportunidades para as pessoas participarem devem levar esses desafios em consideração, especialmente em contextos menos desenvolvidos, e o voluntariado corporativo deve apoiar e considerar toda a inclusão.

A Agenda 2030 reconhece que a chave para o seu sucesso é que ela seja “das pessoas, pelas pessoas e para as pessoas”. O voluntariado é uma das principais formas de as pessoas participarem dos processos de desenvolvimento.

Para auxiliar no alinhamento aos ODS, veja aqui 31 ideias de ações de voluntariado para cada Objetivo do Desenvolvimento Sustentável.

6) O alinhamento com os temas urgentes e emergentes

Alguns assuntos marcam a nossa virada de ano.

E levá-los em consideração ajudará o seu programa a se manter em sintonia com as pautas que pedem a atenção e mobilização das empresas.

São esses os termos potentes:

  • Diversidade e inclusão.
  • Direitos Humanos.
  • Geração de emprego e renda.
  • Cultura de Doação.
  • Combate à fome.
  • Negócios locais.
  • Saúde.
  • Valorização da ciência & informação.
  • Meio ambiente e regeneração.

7) O alinhamento da sua empresa respeita o seu cenário particular

E depois de tudo isso, se quiser saber mais sobre como a sua empresa pode se alinhar às suas forças internas e externas, e se conectar a uma rede poderosa, entre em contato com a equipe do V2V para trocar uma ideia, partilhar seus sonhos e dores.

Tudo será possível, desde que se faça em colaboração, incentivando que o máximo de colaboradores participem da construção de uma sociedade melhor, sendo cidadãos ativos e comprometidos com o desenvolvimento sustentável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.