Consumo colaborativo

Consumo colaborativo: como esta prática pode transformar sua empresa

Consumo colaborativo

André: “- Estou reformando a minha casa, vou precisar comprar um martelo, pincéis de parede e uma furadeira.”

Maria: “- Mas André, você precisa mesmo comprar tudo isso? Você só vai usar uma vez…

Foi justamente a partir deste raciocínio da Maria que surgiu o consumo colaborativo. 🙂

O consumo colaborativo é uma nova prática de mercado que permite acesso a bens e serviços sem que você tenha que comprar ou ser proprietário deste produto. Ou seja, é um processo de compartilhamento, empréstimo, aluguel ou troca. Esta forma de colaboração é uma das manifestações da Economia Solidária, sobre a qual já falamos neste outro post.

Confira abaixo um vídeo bem legal que explica o conceito de uma maneira bem simples. (Obs: O vídeo está em espanhol, mas são poucas palavras utilizadas e muito fáceis de entender. Vale a pena conferir!)

 

Da crise à colaboração

O conceito surgiu em meio à crise econômica de 2008/09, nos Estados Unidos, que fez com que as pessoas repensassem a sua forma de consumir. Além disso, com menos recursos financeiros no bolso e dezenas de bens ociosos em casa foi praticamente natural o rumo que as coisas tomaram: ao invés de comprar novos produtos, as pessoas começaram a procurar quem já os possuía para alugá-los, trocá-los ou emprestá-los por um período.

Outro fator que está diretamente ligado ao surgimento desse novo tipo de comércio é a preocupação com o meio ambiente, afinal já passou da hora de pensarmos em uma maneira que atenda às necessidades das pessoas sem causar tanto impacto na natureza. Por meio do consumo colaborativo é possível ter acesso a uma enorme variedade de produtos e serviços sem que haja a necessidade de aumentar a produção dos mesmos. Segundo Robin Chase, uma das maiores especialistas do mundo em shared economy, a economia compartilhada tem o poder de “criar abundância em um mundo marcado pela escassez”. Existem muitos ativos ociosos disponíveis no mercado, então é nosso papel na construção de um mundo mais sustentável fazer melhor uso deles.

 

Como a colaboração pode transformar o ambiente corporativo

O consumo colaborativo não traz apenas ganhos a economia, mas também ao meio ambiente e mudanças ao modo de pensar do consumidor – ou, no caso das empresas, pode trazer mudanças no modo de trabalhar dos funcionários. Veja abaixo algumas ideias para aplicar na sua companhia:

Troca-troca de livros

troca de livros

Sabe aquele livro que todo mundo tem parado em casa? Então, esta já pode ser uma ótima oportunidade para começar a fomentar o consumo colaborativo na sua empresa.

Coloque uma estante nos locais mais movimentados da empresa para que as pessoas possam doar e pegar livros. Caso tenha um portal de voluntariado você também pode organizar esta ação online, basta criar uma ação intitulada “Troca de livros” e estimular que os voluntários postem fotos dos livros que eles querem doar. Os interessados comentam nas fotos para pedir os livros e a troca pode ser realizada pessoalmente ou pelo malote da empresa.

Carona solidária

carona solidaria

Você já parou para pensar que provavelmente existem dezenas de pessoas na sua empresa que percorrem praticamente o mesmo caminho para chegar ao seu local de trabalho todos os dias? Pois é, isso acontece mesmo! Estimular a carona entre os colaboradores da empresa é vantajoso para o meio ambiente (redução da poluição), para as pessoas (mais networking e menos custos) e para a empresa (maior satisfação dos colaboradores e menor gasto com estacionamento). Já falamos aqui sobre como estimular a Carona Solidária na sua empresa.

Feiras de troca

feiras de troca

Estimule os voluntários da sua empresa a realizarem feiras de troca junto as Instituições parceiras do Programa. Nem sempre é possível realizar arrecadações de brinquedos ou roupas novas, não é mesmo? Então que tal aproveitar os recursos que a Instituição já possui para trocar por outros diferentes?

Além de ser uma atividade fora do comum ainda é uma maneira engajada e divertida de repensar a forma como consumimos, envolvendo adultos e crianças na prática desta reflexão.

Intercâmbio de talentos

intercambio de talentos

Todo ser humano tem algum conhecimento para dividir com o mundo e o ambiente corporativo pode ser um ótimo lugar para você oferecer aulas de violão, aprender a usar o Photoshop ou trocar dicas de receitas. Neste post contamos o case do Grupo Enel, que estimulou nos funcionários a Troca de Talentos, e contamos como fazer em sua empresa.

 

Colaboração: uma nova maneira de fazer negócios

Se em um primeiro olhar você pensou que este tipo de consumo poderia prejudicar a economia, não se engane! O consumo colaborativo gera grandes oportunidades de negócios para empresas e empreendedores, como por exemplo: sites de aluguel de diferentes tipos de bens e serviços já constituem-se em oportunidades milionárias, que movimentam a economia tal como as práticas tradicionais de comércio. Conheça abaixo algumas empresas que estão apostando nisso:

Rent for All

A empresa Rent For All foi criada com o objetivo de alugar e unir clientes e fornecedores de todos os segmentos do mercado de locação. No site é possível alugar móveis, equipamentos eletrônicos, veículos, materiais esportivos, roupas, instrumentos musicais, entre muitos outros itens.

Airbnb

O Airbnb é um site de aluguéis de temporada, casas, apartamentos e quartos individuais para aluguel. De apartamentos e quartos, a casas na árvore e barcos: é possível hospedar-se em lugares incríveis e únicos em 190 países.

Tem Açúcar

Já a plataforma Tem Açúcar busca reativar práticas comuns de tempos atrás, como pedir ao vizinho aquela xícara de açúcar que faltou para o bolo. A ideia é simples: após cadastro no site, informando nome e endereço, a página coloca pessoas próximas em contato. Em seguida, o usuário pode oferecer ou pedir algo a quem está próximo. Pode ser uma furadeira para montar uma estante, um martelo para pregar o quadro ou mesmo uma singela xícara de sal. As condições do empréstimo são negociadas caso a caso e, após a transação, as pessoas dão notas entre si.

Waze

Outra plataforma muito conhecida nas grandes cidades é o Waze, que tem como base a ajuda mútua, ou seja, o aplicativo permite que pessoas com informações sobre o trânsito ajudem outras, reportando acidentes, radares, etc.

Portais corporativos de mobilização social

Portais Corporativos também podem ser plataformas de colaboração em rede, afinal muitas trocas e doações são realizadas através deles.

 

Esse hábito vai pegar no Brasil?

Uma pesquisa realizada pelo instituto Market Analysis com mais de 900 brasileiros adultos identificou que o conceito não é novidade para 20% dos consumidores brasileiros, proporção que dobra entre as pessoas no topo da pirâmide socioeconômica e de alta escolaridade (42% na classe A).

Do total de familiarizados com o conceito, mais de um terço (36%) praticaram alguma forma de consumo colaborativo nos últimos 12 meses, o que totaliza uma incidência de 7% entre a população geral.

A troca ou venda de produtos usados é a prática mais comum (73%), seguida de longe pelo aluguel ou empréstimo de bens (15%), aluguel de carro ou carona (13%), contratação coletiva de serviços (12%) e engajamento em hospedagem solidária ou paga (8%).

 

O consumo colaborativo não traz apenas ganhos a economia, mas também ao meio ambiente e mudanças ao modo de pensar do consumidor. O grande aprendizado para as empresas deve ser a adaptação a esta nova demanda, afinal, é hora de inovar e conquistar novos terrenos!

(Visited 743 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.