Liderança compassiva é necessária – mas não suficiente

Olá!

Hoje quero trazer uma reflexão que gostei muito da Havard Business Review, cujo título é Compassionate Leadership Is Necessary — but Not Sufficient, ou “Liderança compassiva é necessária – mas não suficiente”, por Rasmus Hougaard, Jacqueline Carter e Nick Hobson.

Como sempre, ao nosso modo, vou fazer aqui uma tradução livre, e vez por outra trazer alguma reflexão minha.

Temos visto por aí listas das habilidades que as lideranças podem exercer, ou desenvolver, durante o momento que atravessamos, dentre elas um maior poder de empatia. Portanto, além de exercer uma gestão mais humana, e compreender as pessoas à sua volta de uma forma compassiva, o que mais pode ser necessário?

Vamos a isso:

Liderança compassiva num momento que pede humanização

Hougaard e Hobson começam o seu artigo contextualizando o cenário excepcional que vivemos:

“Uma pandemia global, desemprego em níveis deprimentes, agitação civil e política – de Nova York a Barcelona e Hong Kong, parece que o mundo como o conhecemos está vacilando. As economias estão se desfazendo; empregos estão desaparecendo. Por tudo isso, nosso espírito está sendo testado. Agora, mais do que nunca, é fundamental que os líderes demonstrem compaixão” (grifo meu).

Afinal o que é compaixão?

E os autores definem compaixão:

“Compaixão é a qualidade de ter intenções positivas e preocupação real com os outros”.

E depois definem compaixão na liderança:

“A compaixão na liderança cria conexões mais fortes entre as pessoas. Ele melhora a colaboração, aumenta os níveis de confiança e aumenta a lealdade. Além disso, estudos descobriram que líderes compassivos são percebidos como mais fortes e competentes”.

E sendo assim:

“À medida que a tragédia e as dificuldades de nosso contexto atual aumentam, as empresas são despertadas para um valor mais elevado: que é se preocupar com o bem-estar das pessoas”.

No projeto de pesquisa chamado Projeto Potencial, os autores estudaram e escreveram sobre a importância da compaixão na liderança por anos, e também  treinaram os líderes de organizações globais em como implementar uma liderança compassiva.

Dessa experiência, eles dizem:

Por meio deste trabalho, descobrimos um componente-chave da liderança compassiva, algo que a maioria dos outros especialistas esquece: a compaixão por si só não é suficiente. Para uma liderança eficaz, a compaixão deve ser combinada com sabedoria.

“Para uma liderança eficaz, a compaixão deve ser combinada com sabedoria”.

E o que é sabedoria nesse caso?

Por sabedoria, queremos dizer competência de liderança, uma compreensão profunda do que motiva as pessoas e como gerenciá-las para cumprir as prioridades acordadas.

A liderança é difícil. Para ser eficaz, muitas vezes exige empurrar e conciliar agendas apertadas, dar feedbacks delicados, tomar decisões difíceis que decepcionam as pessoas e, em alguns casos, demitir gente.

Então mostrar compaixão na liderança não pode existir sem a sabedoria e a eficácia. Você precisará de ambos. Liderança sábia e compassiva é a habilidade de fazer coisas difíceis de maneira humana.

“Liderança sábia e compassiva é a habilidade de fazer coisas difíceis de maneira humana”.

É importante entender que esses estilos ou modos de liderança não indicam necessariamente características permanentes e fixas de um líder, mas mais frequentemente são indicativos de um determinado humor, ou mentalidade, ou contexto em que um líder está operando.

4 perfis de integração: compaixão e sabedoria

1. Num extremo, quando a empatia impede que o líder tome ações necessárias, os líderes se preocupam com as pessoas – o que é ótimo – mas eles tendem a evitar as partes difíceis da liderança, como dar um feedback difícil.

2. Por outro lado, existem os líderes que são ineficazes e indiferentes, operando de um modo que é frio e oposto ao dos “apenas empáticos”. Carentes de compaixão e sabedoria, esses líderes, para o seu time,  são desumanos e pouco profissionais.

3. Existem ainda, os líderes que estão efetivamente cumprindo seus objetivos de negócios, mas têm pouca compaixão, e sempre podem correr o risco de parecerem indiferentes, ou mesmo de alcançarem pouco engajamento consigo, por parte dos colaboradores.

4. Finalmente, numa integração mais harmônica, numa “compaixão sábia”, estão os líderes que entregam os melhores resultados. Os líderes que operam dessa maneira estão equilibrando a preocupação com seu pessoal com a necessidade de fazer suas organizações avançarem de maneira eficiente e produtiva. Quando uma ação dura é necessária, eles a realizam com um cuidado genuíno pelos sentimentos e pelo bem-estar das pessoas.

Outra vez, já citei aqui como exemplo desse balanço o livro:  “Poder e Amor: teoria e prática da mudança social”, do Adam Kahane. Vale então a ênfase nessa pequena obra, que ajuda a entender esse tal equilíbrio entre compaixão e sabedoria.

Teste sua compaixão enquanto líder

Para entender melhor a liderança compassiva e sábia, os autores reuniram dados de 15.000 líderes em mais de 5.000 empresas que abrangem quase 100 países.

Aliás, se quiser avaliar sua própria compaixão como líder e contribuir com o conjunto de dados da pesquisa, faça aqui sua autoavaliação rápida sobre o assunto.

“Por meio de extensa modelagem de dados, descobrimos uma correlação clara entre níveis mais elevados de compaixão sábia e capacidade de promoção. Em outras palavras, quanto mais sábia a compaixão você praticar como líder, mais rápido e mais alto você subirá na hierarquia. Esta é uma ótima notícia, uma confirmação clara de que nos fazemos bem fazendo o bem aos outros” Dizem os autores.

Esse último assunto entra no mérito de algo que estudei no meu mestrado que é: o conjunto de motivações para as pessoas ajudarem outras.

O que encontrei na minha pesquisa foi que o campo das motivações compõe um largo espectro das pesquisas acadêmicas sobre o a dádiva, compaixão e o voluntariado. Elas passam essencialmente por teorias que discriminam quais aspectos se associam ao altruísmo contraposto (ou não) ao egoísmo.

E essas motivações podem ser integradas numa única experiência de motivação, ou dissolvidas em múltiplos motivos.

Que de forma genérica, perpassam:

  1.  primeiramente por um diálogo do conteúdo interno do possível do que ajuda (seus valores, estágio de vida, experiências prévias, etc.)
  2. em segundo a experiência de sociabilidade do mesmo (suas influências interpessoais: o contexto e normas sociais, a rede social que compõe).

Sendo assim, a educação, a família e a religião são grandes formadores ou não de pessoas, e por consequência, líderes compassivos.

Além disso a pessoa pode ter uma motivação primária que é egoística, ou seja, focada nos seus objetivos pessoais, altruísta, no extremo oposto em que se abnega pela empatia para com os outros.

Há também as motivação múltiplas e modelos de medição das múltiplas motivações para a caridade e compaixão foram especialmente estudados nos anos 90.

Mas voltando à nossa tradução:

Dicas e rotinas ​​para cultivar a compaixão sábia

Uma das revelações mais importantes em nossos dados foi que ter uma rotina regular de atenção plena leva a um aumento da compaixão sábia. Esse efeito no estilo de liderança provavelmente resulta do fato de que a prática da atenção plena torna as pessoas mais autoconscientes e mais cientes dos comportamentos e emoções dos outros.

Com maior consciência e presença, os líderes são mais intencionais no trazer sabedoria e compaixão para uma questão.

Aqui estão algumas dicas para desenvolver melhor a compaixão e a sabedoria como componentes de seu estilo de liderança. Se sua sabedoria é forte, mas você ainda precisa desenvolver mais compaixão, aqui estão algumas coisas que você pode fazer:

1. Tenha mais autocompaixão:

Ter compaixão genuína pelos outros começa com compaixão por você mesmo. Se você está sobrecarregado e desequilibrado, é impossível ajudar os outros a encontrar o equilíbrio. A autocompaixão inclui dormir bem e fazer pausas durante o dia. Para muitos líderes, a autocompaixão significa abrir mão da autocrítica obsessiva. Pare de se criticar pelo que você poderia ter feito de maneira diferente ou melhor. Você provavelmente não falaria com um bom amigo ou colega que precisasse de ajuda da mesma forma que você se dirige a si mesmo. Em vez disso, cultive o diálogo interno que seja positivo. Em seguida, reformule os reveses como uma experiência de aprendizado. O que você fará de diferente no futuro?

2. Verifique sua intenção:

Crie o hábito de verificar sua intenção antes de conhecer outras pessoas. Coloque-se no lugar deles. Com a realidade deles em mente, pergunte-se: Qual a melhor forma de beneficiar essa ou essas pessoas?

3. Adote uma prática diária de compaixão:

Compaixão é uma habilidade treinável. Nosso cérebro tem uma nível incrível de neuroplasticidade, o que significa que os estados mentais que você desenvolve podem ficar mais fortes e proeminentes. (Nós desenvolvemos um aplicativo que pode ajudá-lo a aumentar sua compaixão.)

Se sua compaixão é forte, mas você gostaria de aumentar sua sabedoria, aqui estão algumas estratégias úteis:

4. Pratique a transparência sincera:

Como líderes, é nossa responsabilidade fornecer a orientação de que as pessoas precisam, mesmo que seja difícil para elas ouvirem. Quando um membro da equipe está apresentando desempenho insatisfatório, seja sincero e diga a ele no que trabalhar. Se você esconder suas preocupações na tentativa de ser gentil, as pessoas não entenderão as expectativas nem se beneficiarão de sua sabedoria. Por causa disso, esconder críticas duras não é gentil – é enganoso. Em vez disso, ser claro é gentil. Seja direto e transparente.

5. Uma interação direta diária:

Se sua inclinação natural é mais voltada para a compaixão, ser gentil é sua zona de conforto. Para melhorar sua sabedoria, tente adotar o hábito de ter pelo menos uma interação direta e assertiva diária com uma pessoa. Isso o ajudará a sair de sua zona de conforto e a desenvolver melhor sua sabedoria de liderança.

6. Adote um treinamento diário de atenção plena:

Pesquisas mostram que, quando praticamos atenção plena, ganhamos mais sabedoria e competência de liderança. (Aqui está uma ferramenta que pode ajudá-lo a começar o treinamento de atenção plena.)

Haverá muitos dias, semanas e meses difíceis pela frente. Uma mentalidade de sábia compaixão é a maneira mais eficaz e humana de apoiar as pessoas nestes tempos difíceis.

À medida que enfrentamos os desafios coletivamente, precisamos tomar decisões difíceis. Todos nós devemos nos esforçar para fazer essas coisas difíceis de uma forma humana.

(Visited 83 times, 1 visits today)
Bruno Barcelos

Bruno Barcelos

Quatorze anos de significativa experiência em gestão de projetos nas áreas de Sustentabilidade, Investimento Social Privado, e Voluntariado, empreendidos por iniciativas privadas e públicas. Além de experiência em gestão de empresas e em OSs, bem como a articulação entre parceiros dos setores diversos. Ampla experiência no desenvolvimento de assessorias, capacitações e palestras nos temas acima citados para empresas de grande, pequeno e médio porte.

More Posts - LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.