diversidade

Diversidade e Voluntariado: como ir além em suas ações?

diversidade
Diversidade é uma dessas palavrinhas mágicas, do tipo que é possível colocar em diferentes contextos e realidades e que sempre funciona. É, por si só, algo positivo, um valor de inclusão, agregador. Quando associada a outras palavras, especificam a inclusão a que se refere, como a racial, sexual, de gênero, de deficientes físicos, etc.

O Voluntariado, assim como a Diversidade, também assume essa função. É o tal fazer-o-bem-sem-ver-a-quem. Nos remete a algo positivo e bem intencionado. Então, por que não juntar essas duas palavrinhas mágicas para fazer o bem, promover a inclusão e contribuir para um mundo que seja, além de diverso, inclusivo e respeitoso.

Ser voluntário é necessariamente ser amante da diversidade, pois nos faz enxergar o outro não como melhor nem pior, mas como diferente. Não estranho, apenas diferente. E é na diferença e na empatia que desenvolvemos que está a beleza de ser voluntário.

Enquanto gestores de programas de voluntariado, temos a possibilidade de juntar esses dois temas de maneira prática, pois quando estamos desenhando uma próxima ação, alguns pontos podem nos escapar e podemos comprometer – e muito – o sucesso de uma ação por conta disso. Por isso, aqui vão algumas dicas:

1) Diversidade físico-motora

Se sua ação depende de um jogo de tabuleiro, cartas, apostilas, livros ou qualquer outro material impresso, lembre-se sempre de produzir uma pequena cota para deficientes visuais. Pode parecer algo fora do comum, mas não é.

Há, atualmente, tecnologias avançadas de softwares e máquinas que fazem leituras de materiais impressos, mas não são todos que tem acesso. Portanto, ter esse cuidado é tornar sua ação aberta à participação de todos, de verdade.

Além disso, se a formação para a ação depende de uma palestra ou de uma apresentação, por exemplo, lembre-se de perguntar no processo de inscrição se haverá algum deficiente auditivo na turma. Se sim, não hesite em mandar a “fala” do palestrante por escrito ou contratar um intérprete de sinais.

2) Diversidade sexual e de gênero

Ao solicitar dados pessoais, como numa avaliação por exemplo, tenha cuidado com a tal questão “Sexo”. Diversos manuais de boas práticas das empresas já reiteraram o compromisso de tratar seus colaboradores e então, seus voluntários, por “gênero”.

Para todos os efeitos, sexo é aquele biológico, designado no momento de nascimento e pode condizer ou não com o gênero com que a pessoa se identifica. Portanto, perguntar sempre “Qual seu gênero?” ao invés de “Qual seu sexo?” é ser inclusivo de verdade.

Dica: se você quiser ir além, deixe sempre a opção de não responder nessa questão, pois acredite se quiser, há pessoas que não se identificam com nenhum. 🙂

3) Diversidade racial

A realidade racial do nosso país é fruto de enorme miscigenação associada à imigrações e mais imigrações e portanto, muitas caras e cores juntas. Tenha isso em mente quando for pensar na sua comunicação!

Você pode acreditar ou não em sistema de cotas, mas a realidade é que precisamos contemplar o máximo de possibilidades para que as pessoas se identifiquem e se sintam “parte do todo”.

Assim, ao pensar um e-mail ou um banner que vá usar “voluntários modelos”, lembre-se de chamar negros(as), brancos(as), asiáticos(as). Quanto mais diferença, mais as pessoas se sentirão incluídas.

 

E você, tem alguma dica de como promover a inclusão e trazer a diversidade para o seu programa de voluntariado? Conte pra gente!

 eBook Dia do Voluntário

 

Um comentário sobre “Diversidade e Voluntariado: como ir além em suas ações?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.